O vizinho, a velhice, o viver

21/06/2018 / postado por Lucas Verzola

Gostar de Ostras (Rocco, 2017), novo romance do escritor, jornalista e tradutor Bernardo Ajzenberg alcança de forma despretensiosa o feito de lembrar o quanto as dificuldades da convivência em sociedade são pequenas diante da importância do outro na construção de nossas próprias identidades.

LEIA TAMBÉM entrevista com Bernardo Ajzenberg, por Andressa Barichello

Jorge, um jovem publicitário, tem de lidar com a excentricidade de seus vizinhos idosos, Marcel e Rachelyne Durcan. A sinopse da obra, entretanto, descreve os personagens Marcel e Rachelyne de modo mais específico: não como idosos, mas como octogenários. Não à toa. Nas primeiras páginas do livro somos convidados a pensar no quanto nossos rituais (ou a ausência deles), nossa forma de viver e a maneira como encaramos a realidade podem – muito mais do que nossa data de nascimento – dizer em qual fase da vida estamos.

Bernardo Ajzenberg, ao construir uma narrativa cujo enredo central retrata a amizade transgeracional entre o rapaz e os Durcan, um casal francês, torna possível a interrogação: quantas podem ser, de fato, nossas datas de nascimento? Ao longo de uma vida, seja ela mais ou menos longeva, são muitas as pequenas mortes e nascimentos; a habilidade para lidar com o conteúdo simbólico abarcado por esses momentos definirá qual o episódio subsequente da nossa biografia.

Jorge, cindido em personagem e narrador, carrega em si mesmo uma divisão: assumir o risco da vida ou permanecer entregue à ameaça do imobilismo. Assim, constrói um excerto de sua história – em que convivem passado, presente e futuro – a partir da relação improvável estabelecida com seus vizinhos, também submetidos à dúvida a respeito do que seja viver e morrer – e quais os seus riscos.

Jorge parece se construir enquanto narra: o vivido e o contado possuem igual status na obra, que, como a vida, parece ir se escrevendo e inscrevendo em cada página por meio de associações livres e movimentos consequentes. Consequentes aqui, é bom que se diga, tem a ver somente com o estabelecimento de uma sequência. Isso porque o autor comete alguma inconsequência: o leitor talvez perceba na trama a presença de um episódio algo irrefletido, imprudente e quase leviano; estranhamento imputável a uma escolha consciente do autor ou às características de seus personagens? Talvez às duas coisas…

O livro, ambientado em uma São Paulo fiel à realidade, surpreende com reviravoltas de fazer questionar a motivação e ao caráter dos personagens, ao mesmo tempo em que eles nos cativam por suas contradições. Nesse sentido, Bernardo Azjenberg também faz uma metáfora interessante: ao mesmo tempo em que facilmente podemos reconhecer os espaços físicos ao redor, o que pertence à ordem dos sentimentos, das motivações e do desejo do outro permanece como território hostil; impossível aferir matéria palpável com tônus de verdade – ou realidade.

A realidade que interessa no livro é mesmo a psíquica, que, independentemente da idade real de cada personagem, permanece como lastro a dar sentido – ou não – tanto aos grandes acontecimentos quanto ao cotidiano. Por meio da intensa mudança que a convivência entre os protagonistas pode produzir na vida de cada um, o autor volta os olhos do leitor para o impacto que nossas próprias palavras e imagem produzem na vida das pessoas com as quais convivemos.

Longe de causar pudor, essa ideia, aliás, alcança também as raias da experiência tecnológica: como construir laços que convidem a comparecer à vida, em tempos de redes sociais? Ou ainda: será que nossa atuação no espaço virtual é capaz de permitir que se avalie o quanto palavras e ações direcionam nossas escolhas e as escolhas daqueles que de nós estão próximos? O autor nos faz perceber quão ausentes estão as experiências concretas com os corpos e os objetos, não bastando a força e a potência da juventude para colocar os sujeitos em movimento – é preciso comover-se. Somos capazes de interagir com o mais próximo, de nos avizinhar de seus dramas e nos responsabilizarmos pelo seu bem-estar sem o receio da dependência?

Pela contenção do impulso de julgar os atos do outro com a régua usada para medir a conveniência de certas escolhas pessoais, o autor assinala a tolerância como pilar dos laços humanos, essencial para um engajamento que não destitua o outro de si mesmo. É assim que leio, portanto, a presença do nazismo e da Segunda Guerra Mundial na narrativa, tendo sido essas experiências históricas duas expressões máximas da impossibilidade de convivência com a alteridade.

Os personagens, separados pelo tempo e por seus apartamentos-membrana (ainda que o isolamento físico e acústico das construções modernas seja precário) se relacionam sem nunca se confundirem. Bernardo Ajzenberg nos entrega figuras que, embora não falem a mesma língua materna, criam uma linguagem própria na dialética das relações e com isso aprendem a conviver na maior metrópole do país sem renunciar cada qual aos seus desejos, dissabores, excentricidades e modos de funcionamento. Como ostras, os personagens filtram emoções enquanto suportam a invasão do mar: o mundo e o outro. Assim, o livro conserva múltiplos protagonistas e não deixa de ser uma obra sobre gente ordinária em busca de identidade e reconhecimento pelo amor e pelo pertencimento a um grupo – e toda a dimensão do trágico que lhe é inerente.

Experimentando ginástica, culinária, vida noturna, uma ida ao futebol ou a imersão na vida política fervilhante de uma passeata, fazemos – cada qual com suas lentes – tentativas nem sempre bem sucedidas de separação (filtragem) entre público e privado, prazer e dever, moral e imoral, erro e acerto.

Sem temer erros e acertos, o autor traz aos leitores um romance em cuja composição cabem até excertos do diário de uma sobrevivente de Auschwitz e uma canção de Mahler. Eis, assim, uma obra atual e bem ao sabor do real: esse eterno misto de acontecimento e ficção; como são também as ostras: conchas onde estão guardados moluscos e o paladar secreto do mar.

Dados: Bernardo Ajzenberg é escritor, tradutor e jornalista, além de ter vasta experiência no mercado editorial. É autor de obras como Minha vida sem banho, romance vencedor do Prêmio Casa de Las Américas, e A gaiola de Faraday. Seu livro mais recente, o romance Gostar de ostras, foi publicado pela Rocco em 2017. (192 pp. R$29,90)

__

Andressa Barichello nasceu em São Paulo. É mestre em Direito e Literatura pela Universidade de Lisboa e cofundadora do projeto Fotoverbe-se.com, no qual realiza vivências com artistas. É autora do livro “Crônicas do Cotidiano e outras mais”, vencedor do prêmio Alejandro Cabassa pela União Brasileira dos Escritores do Rio de Janeiro e publicado em 2014 pela Scortecci Editora.

1 Comentário

Deixe o seu Comentário aqui!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *