“Calvo Balbino”, de Rui Condeixa Xavier

Calvo Balbino, bêbado imprestável, mendigo por vocação e vício, detestava gente torta, manca e aleijada. Não podia ver cego, mutilado ou paralítico: atacava com torções nas orelhas e chutes nos rins; nomes, xingos, impropérios. Sobrevivente de mil desgraças, não concebia que alguém se deixasse ficar sem braço, sem vista ou ouvido, falando torto ou andando…

By André Balbo Fevereiro 5, 2018 0

Três poemas de Bruno Rosa

a caça capturar na palavra pássaro seu voo circunflexo na palavra dobradiça a pele do aço enferrujado na palavra água o rumor de suas claras profundezas na palavra casa o sono alto resvalando pela cumeeira na palavra chão o gesto aberto para a transcendência __ os camaradas   – aos mesmos Rapadura sobre as vigas…

By Arthur Lungov Janeiro 30, 2018 0

Três poemas de Luana Claro

pelas partes de pernas que passam e revelam mais pernas vejo e fico em dúvida de qual é o meu ponto de vista se sou observadora ou participante   __ quando cheguei em são paulo estava meio caipira ainda estava no trem e a porta me arrancou uma unha meu deus que pancada eu já…

By Arthur Lungov Janeiro 24, 2018 0

Quatro poemas de Marcelo Labes

não é nos olhos das crianças mas no decúbito dos bêbados que amanhecem nas calçadas que reside a inocência.   a esperança habita os olhos do suicida e passa ao largo das maternidades e salas de espera de quimioterapia.   a vergonha que infesta a nudez é muito mais leve do que este temor que…

By Arthur Lungov Janeiro 22, 2018 0

Cinco microcontos de Adilson Zambaldi, ilustrados por Rodinei Morillas

Nota dos editores: Adilson Zambaldi encontrou na corrida e nos nanocontos uma reação à vida de redator publicitário. Com humor ácido e sarcasmo, ironiza o mundo corporativo se valendo das mesmas armas que seus pares: imagens chamativas. Confira, agora, cinco de suas mais recentes carimbadas, obrigatórias no briefing do próximo job e recomendável para os…

By Arthur Lungov Janeiro 20, 2018 0

Três poemas de Vítor Resquin

CANDEIA doze balas no pente tem no beijo de maria   em cadência compassada colho lágrima a luz do dia.   PEIXEIRA DE LAMPIÃO O teu toque corta e espana feito peixeira de lampião, bálsamo p’ras feridas da vida, é rio de água cristalina vem chover no meu sertão   teu amor é cangaceiro feito…

By Arthur Lungov Janeiro 19, 2018 0