Três poemas de Carlos Orfeu

Três poemas de Carlos Orfeu

Março 13, 2019 0 By revistalavoura

[Sem título]

azulejos brancos

cardumes de passos

 

anoitecidos

 

no canto da varanda

por onde formigas

brotam como fachos negros

 

canibalizam o feto da chuva

na casca da cigarra morta


Carnagem

quando o corpo

trai

o ar

 

entrega a carne

para a disjunção da queda

 

quando o ar

trai

o corpo

 

trama o avesso chão

na queda


[Sem título]

sede é como um rugido de rio

encontrando a margem da garganta

 

sede é peixe uterino

no oceano do corpo

 

visto por fora

despido no espelho

visível deserto de assombros

 

sede é a possibilidade de romper

o naufrágio e adejar na superfície

_

Carlos Orfeu, nasceu em Queimados (RJ). Publica em revistas e sites literários. É autor dos livros de poesia invisíveis cotidianos (LiteraCidade, 2017) e Nervura (Patuá, 2019).