Dois poemas de Pilar Bu

além da nebulosa   mergulhar no abismo que transborda expandir a coluna vertebral e ganhar alguns centímetros   passar 288 dias fora da terra e ver tudo como quem vaga por tantas e tantas órbitas   fazer cálculos intermináveis ir aonde os sonhos mortais não ousam habitar para encarar a solidão   desafiar estrelas nuvens…

By revistalavoura Janeiro 15, 2019 0

Jorge reunido

Após ler Navegação de Cabotagem, o livro de Jorge Amado com apontamentos de suas memórias, procurei alguma biografia escrita por um terceiro, para enxergar a linha cronológica que o escritor propositadamente fragmentara. Fiz a busca certo de que encontraria o volume, dado o tamanho do personagem. Afinal, se a respeito de Neruda já havia filmes…

By revistalavoura dezembro 28, 2018 0

Boaventura de Sousa Santos fala sobre sua obra poética

No próximo sábado, dia 15/12, a partir das 16:00, o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos estará no espaço da Tapera Taperá, na Galeria Metrópole, em um encontro para mostrar sua face menos conhecida: a de um (não) poeta. A organização do evento é da pesquisadora Laura Mascaro. Boaventura de Sousa Santos, professor da Universidade…

By revistalavoura dezembro 11, 2018 0

De todos os fogos: o fogo

Duas histórias narradas simultaneamente, intercalando-se e confundindo-se no espaço e no tempo. O foco da primeira é em uma arena, descrita como numa Roma clássica, em que lutam dois gladiadores; a segunda concentra-se em um familiar microcosmo contemporâneo, em que dois amantes rompem o vínculo pelo telefone. Ao final, ambas se encerram com um incêndio…

By revistalavoura novembro 14, 2018 0

Um romance da Presidência da República

Nós somos criados a um só tempo pela superstição da humildade e pela vontade do sucesso e do heroísmo. É uma contradição que segue em espiral, e a solução é querer chegar ao topo, mas com simplicidade e sem competir com ninguém, como se o sucesso máximo fosse permitido desde que não haja vaidade. Paradoxal?…

By Arthur Lungov setembro 26, 2018 0

Dois Poemas de Jorge Pereira

Tisanas I As cores das palavras que pronuncias confundem-me. Nem eu nem tu somos capazes de compreendê-las todas. Por isso, supomos que não significam nada, que se assemelham ao rigor do silêncio, e à sua triste e contemplativa quietude Mas, um dia choraremos sobre os mesmos lenços, pelos mesmos olhos, e já não haverá palavras…

By Arthur Lungov setembro 9, 2018 0

Quatro Poemas de Jeanne Callegari

Alicate sobre o que se pode cortar. pele que se derretida em brancos e azuis, que coisa é o vermelho, uma cor tão escolhida. preferencialmente sem escalavrar grandes granduras, o mar é raso, o tesouro sutil rutilado, trabalho a liquefazer antes que o sol –   na boca apodrecem, fora da mão apodrecem, endurecem, metal…

By Arthur Lungov setembro 5, 2018 0